Dias da Música 2019: Shakespeare musical em Belém

on

De Berlioz aos Beatles, toda a música pelos cantos e recantos do Centro Cultural de Belém, em Lisboa. Os Dias da Música estão de volta de 25 a 28 de Abril, desta vez com variações à volta de Shakespeare. Uma festa que todos os anos junta milhares de pessoas. José Guilherme Gaspar é um dos espectadores fiéis.


Créditos: Domínio Público
Shakespeare Musical (Créditos: Rafael Nabais)

Há 13 anos que, com a primavera, chegam os dias da música. Uma festa muito “agradável e participativa” afirma José Guilherme Gaspar, economista, 61 anos, que não falhou uma única edição. “Basta comprar um bilhete e pode-se assistir à música nas salas, nos corredores, nos átrios principais. É um ambiente descontraído e alegre” diz ainda. Foi esse o espírito com que foi criada a Festa da Música em França, nos anos 80. Pretendia-se levar a música clássica a toda a gente num ambiente festivo e informal. O modelo foi importado para Portugal e tornou-se um enorme sucesso. “Eram filas intermináveis para comprar os bilhetes e depois era uma correria à procura das salas, muitas vezes só com um intervalo de 5 minutos entre os concertos e havia muitos, muitos jovens. Recordo, por exemplo, o ano dedicado a música russa que me impressionou pela juventude do público”.

José Guilherme Gaspar, um amante da música clássica
José Guilherme Gaspar, um amante da música clássica (Créditos: Rafael Nabais)

Ao correr dos anos houve alterações. A festa tornou-se Dias da Música por questões orçamentais, com menos orquestras estrangeiras e com uma maior aposta nos músicos portugueses. Mas o público continua a esgotar os Dias da Música. José Guilherme Gaspar não vai faltar.

Tocar ou não tocar, eis a questão

No palco da música, na edição deste ano, vai estar William Shakespeare. O dramaturgo inglês, cujas obras são há séculos representadas em todos os palcos do mundo, tem também inspirado compositores, músicos e artistas de todos os tempos. Pelas salas e pelos vários palcos improvisados pelos vários espaços do CCB. A Orquestra Sinfónica Metropolitana, Os Músicos do Tejo e interpretes como Artur Pizarro e Filipe Pinto Ribeiro vão interpretar obras de Wagner, Verdi, Strauss ou mesmo Tom Waits e Taylor Swift, entre outros.

Concertos em todos os corredores
Concertos em todos os corredores (Créditos: Rita Carmo)

Romeo e Julieta, Otelo, Hamlet e Macbeth são algumas das peças que vão ser ‘tocadas’. Lorenzo, uma das personagens do Mercador de Veneza diz a dada altura “Sentemo-nos aqui, e deixemos os sons da musica penetrar-nos nos ouvidos. A suave quietude e a noite
Tornam-se os acordes da doce harmonia. É de seguir a ‘deixa’. Aqui ficam dez sugestões para assentar e apurar os ouvidos:

A música é para todas as idades
A música é para todas as idades (Créditos: Rita Carmo)

– B1 – Concerto de Abertura, Orquestra Sinfónica Metropolitana, Tristia, op. 18 e Lélio, ou o Regresso à Vida,  Hector Berlioz, 26 de Abril, 21h, Grande Auditório;

– C13 – Korngold e Shakespeare DSCH – Schostakovich Ensemble, 4 Shakespeare Songs, op. 31 e 4 Peças para violino e piano, da música incidental para Muito Barulho por Nada de Shakespeare, op. 11, 27 de Abril, 20h, Sala Almada Negreiros;

Filipe Pinto Ribeiro
Filipe Pinto Ribeiro (Créditos: Rita Carmo)

– C7 – Time Stands Still, Ensemble Darcos, John Downland revisitado, 27 de Abril, 19h, Pequeno Auditório;

Os Violinhos, Khachaturian, Kreisler, Jenkinson, Coldplay, entre outros, 25 de Abril, 17h15, Foyer do Grande Auditório;

– Palco Poente/Palco Nascente, Maria João OGRE, Elton John, Taylor Swift, Sting, Tom Waits, entre outros, 27 de Abril, 16h15, Foyer do Grande Auditório;

Maria João OGRE
Maria João OGRE (Créditos: CCB)

– C16 – As Sete Idades do Homem, Quarteto Camões, Tiago Derriça, The Seven Ages Of Men para quarteto de cordas, 27 de Abril, 20h, Sala Sophia de Mello Bryner Andersen;

– A1 – Sonho de Uma Noite de Verão, Orquestra do Festival, Felix Mendelsohn-Bartholdy, Sonho de uma noite de verão, 25 de Abril, 18h, Grande Auditório;

– D4 – To Play Or Not Play, Os Músicos do Tejo, Gibbons, Niles, Purcell, Locke, entre outros, 28 de Abril, 15h, Pequeno Auditório;

– D8 – Shakespeare no Século XIX, Artur Pizarro e António Rosado, Liszt, Tchaikovsky, Berlioz, entre outros, 28 de Abril, 16h, Sala Almada Negreiros;

Artur Pizarro
Artur Pizarro (Créditos: CCB)

– D3 – Concerto de Encerramento, O Doce Poder da Música, Orquestra Sinfónica Portuguesa, Coro do Teatro Nacional de São Carlos, António Pirolli, Wagner, Gounod entre outros, 28 de Abril, 19h, Grande Auditório.


Conteúdo produzido por: Carolina Gaspar, Catarina Frazão Gomes, Mafalda Nequim,Pedro Diniz, Rafael Nabais e Tomás Pereira, no âmbito da disciplina de Comunicação Digital da licenciatura de Comunicação Social e Cultural